Pular para o conteúdo principal

O menino que queria ter superpoderes

Se eu tivesse superpoderes eu desceria esse morro voando. A não ser que eu fosse o homem aranha, daí eu desceria saltando com minhas teias de barraco em barraco... Seria o maior barato!

Se eu tivesse superpoderes ajudaria minha comunidade, lutaria contra o crime, ajudaria essa policia despreparada e minha mãe não precisaria trabalhar tanto para sustentar meus irmãos e eu... Não, eu não iria roubar! Eu iria usar meus superpoderes para trabalhar... Quem sabe não exista aí uma agencia secreta para super-heróis aqui no Brasil.

Se eu tivesse superpoderes seria o maior barato. Eu voaria até as estrelas e visitaria todos os lugares do mundo... Eu também ajudaria esse pessoal mais pobre do que eu e esse morro aqui seria a maior molezinha! O problema não é descer o morro, o problema é subir tudo isso de volta. Cara, isso cansa muito!

Se eu tivesse superpoderes eu seria muito, mas muito rápido mesmo e nada poderia me atingir. Nada mesmo! Eu conseguiria até me desviar dessa bala perdida que acabara de me encontrar...


Se eu tivesse superpoderes eu seria quase imortal e evitaria a dor que minha mãe está sentindo agora por me perder... Se eu tivesse superpoderes...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu quero café e a volta do humor politicamente incorreto!

Resolvi voltar a escrever e quero voltar com um apelo: Eu quero café e a volta do humor politicamente incorreto!
Tenho visto muita frescura ultimamente nas Redes Sociais e até concordo que a galerinha jovem de hoje ache tudo chato e errado e que qualquer tipo de zoeira seja politicamente incorreta (eles não tiveram a TV Globinho, Chaves e as séries que passavam depois do Bom dia e Cia no SBT para educá-los), o que eu não concordo é o fato de pessoas com mais de 28 anos de idade entrarem nessa ondinha de que tudo é preconceito, ou machismo, ou bullying, ou sei lá mais o que…
Recentemente passei por isso no Facebook, onde fiz uma postagem (totalmente inocente) e fui chamado de machista… Eis os comentários: “Quer dizer que você é machista” “Não esperava isso de você” “Só o preconceito que não muda”… Além dos emoticons zangados. Eu machista? Cara, eu lavo louça em casa e cozinho.
O que é que tá acontecendo com você? Você fez tudo isso nos tempos de escola e sofreu tudo isso também e sobrevive…

Do seu ou do meu jeito? / Homem X Mulher

Ele - Eu prefiro fazer assim! Ela - Mas assim é errado... Porque você não faz desse jeito? Ele - Porque demora... Ela - Mas é o jeito certo de fazer. Ele - Você quer que eu faça? Ela - Quero!!! Ele - Então me deixa fazer do meu jeito... Além de fazer quer exigir... Ela - É... Eu sei, mas se é pra fazer errado é melhor nem fazer... Ele - Então você quer eu pare de fazer? Ela - Não, eu quero que você faça, mas que faça certo! Ele - Vou fazer do meu jeito primeiro, se não der certo eu faço do seu. Pode ser? Ela - Hum... Sei não viu... Acho que fazendo do seu jeito, que é o jeito errado, não vamos poder corrigir, já que eu tenho certeza que vai dar errado. Ele - Como você é insuportável!!! Acredite no meu jeito de fazer as coisas, por favor... Ela - Já fiz isso antes – não se lembra? – deu errado! Ele - Se ao invés de discutir, tivéssemos fazendo do meu jeito, com certeza já estaria pronto. Ela -Vai lá então. Faça do seu jeito... Ela - Até que enfim... Olha só... E... ... ... Tá certo. Vamos fazer do seu…

36 perguntas para duas pessoas estranhas se apaixonarem

Para além da química e do destino, há pesquisadores que acreditam na possibilidade de dissecarmos os sentimentos de intimidade e atração
Suponha que duas pessoas não se conheçam e elas, por algum motivo, desejem se aproximar romanticamente. 
Alguns vão dizer que a tentativa depende das estrelas, outros vão defender feromônios e há aqueles que talvez acreditem na mais pura sorte.
Em 1995, o psicólogo e pesquisadorArthur Aronconduziu um experimento para testar um método prático que induzisse duas pessoas a se sentirem íntimas. O processo foi realizado com estudantes de psicologia que, sentados em uma sala confortável, receberam três pacotes com uma série de perguntas e a instrução de que o experimento seria uma espécie de jogo agradável, cuja intenção era apenas fazer com que se aproximassem.
O Dr. Aron nos diz em seu estudo que "um padrão chave no desenvolvimento de um relacionamento de proximidade entre duas pessoas é a contínua, crescente, recíproca e íntima abertura.".
Para est…