Pular para o conteúdo principal

Manda esse moleque pra cadeia – Redução da Maioridade Penal

Só quem já sofreu algum crime por um menor de idade sabe realmente o que passou e não se pode julgar a opinião desses, mas se pararmos para observar o contexto geral do nosso país, a redução da maioridade penal para 16 anos seria apenas mais um problema para um governo quebrado seguido de uma polícia despreparada para se preocupar.

O assunto ronda o Brasil já tem algum tempo... Mas afinal, o que muda isso se o país não muda?

Claro que é fácil “botar” um moleque desses na cadeia, é só prender... Mas o que acontece é que não é só prender, se fosse assim seria muito fácil, mas o Brasil tem a 4° maior população carcerária do mundo e um sistema prisional superlotado com 500 mil presos. Só fica atrás em número de presos para os Estados Unidos (2,2 milhões), China (1,6 milhões) e Rússia (740 mil), sem contar que o sistema penitenciário brasileiro NÃO tem cumprido sua função social de controle, reinserção e reeducação dos agentes da violência. Ao contrário, tem demonstrado ser uma “escola do crime”. Portanto, nenhum tipo de experiência na cadeia pode contribuir com o processo de reeducação e reintegração dos jovens na sociedade.

Então a solução seria a educação? Seria, mas... A educação é fundamental para qualquer indivíduo se tornar um cidadão, mas é realidade que no Brasil muitos jovens pobres são excluídos deste processo.
Puni-los com o encarceramento é tirar a chance de se tornarem cidadãos conscientes de direitos e deveres, é assumir a própria incompetência do Estado em lhes assegurar esse direito básico que é a educação.

Sem contar que reduzir a maioridade penal não afasta crianças e adolescentes do crime. O problema da marginalidade é causado por uma série de fatores. Vivemos em um país onde há má gestão de programas sociais / educacionais, escassez das ações de planejamento familiar, pouca oferta de lazer nas periferias, lentidão de urbanização de favelas, pouco policiamento comunitário, e assim por diante.

Eu particularmente sou a favor da redução, mas é preciso rever muita coisa antes de começar a jogar essa molecada na cadeia... Começando com o básico: EDUCAÇÃO, SAÚDE e SEGURANÇA...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu quero café e a volta do humor politicamente incorreto!

Resolvi voltar a escrever e quero voltar com um apelo: Eu quero café e a volta do humor politicamente incorreto!
Tenho visto muita frescura ultimamente nas Redes Sociais e até concordo que a galerinha jovem de hoje ache tudo chato e errado e que qualquer tipo de zoeira seja politicamente incorreta (eles não tiveram a TV Globinho, Chaves e as séries que passavam depois do Bom dia e Cia no SBT para educá-los), o que eu não concordo é o fato de pessoas com mais de 28 anos de idade entrarem nessa ondinha de que tudo é preconceito, ou machismo, ou bullying, ou sei lá mais o que…
Recentemente passei por isso no Facebook, onde fiz uma postagem (totalmente inocente) e fui chamado de machista… Eis os comentários: “Quer dizer que você é machista” “Não esperava isso de você” “Só o preconceito que não muda”… Além dos emoticons zangados. Eu machista? Cara, eu lavo louça em casa e cozinho.
O que é que tá acontecendo com você? Você fez tudo isso nos tempos de escola e sofreu tudo isso também e sobrevive…

36 perguntas para duas pessoas estranhas se apaixonarem

Para além da química e do destino, há pesquisadores que acreditam na possibilidade de dissecarmos os sentimentos de intimidade e atração
Suponha que duas pessoas não se conheçam e elas, por algum motivo, desejem se aproximar romanticamente. 
Alguns vão dizer que a tentativa depende das estrelas, outros vão defender feromônios e há aqueles que talvez acreditem na mais pura sorte.
Em 1995, o psicólogo e pesquisadorArthur Aronconduziu um experimento para testar um método prático que induzisse duas pessoas a se sentirem íntimas. O processo foi realizado com estudantes de psicologia que, sentados em uma sala confortável, receberam três pacotes com uma série de perguntas e a instrução de que o experimento seria uma espécie de jogo agradável, cuja intenção era apenas fazer com que se aproximassem.
O Dr. Aron nos diz em seu estudo que "um padrão chave no desenvolvimento de um relacionamento de proximidade entre duas pessoas é a contínua, crescente, recíproca e íntima abertura.".
Para est…

O Político e o Assessor

Um político e um assessor estão calmamente almoçando no restaurante quando:
– Você trancou a porta do comitê? Perguntou o político.
– Não! O senhor não trancou a porta? Perguntou o assessor.
Imediatamente ambos ficaram assustados e foram tomados pelo pânico e pelo pavor. Logo pensaram em como a cidade anda violenta e a criminalidade só crescendo… Isso não demorou muito, pois eles se olharam e por um instante estranharam aquela impulsiva e natural reação e logo caíram em si.
– Ufaaaa! Que susto o senhor me deu! … Não tem problemas! … Nós estamos aqui. Comentou o assessor.