Pular para o conteúdo principal

Zé ninguém

Como um zé se transforma em José, deixando para trás qualquer zé



O José não é só mais um zé não. O José é das antigas e, mesmo hoje, ainda está por lá. Chegou pelas bandas pouco depois da fundação da vila. Veio de longe e trouxe o aprendizado antigo de falar só quando necessário e nunca (nunca mesmo) se separar do verbo "fazer". José é e sempre foi um fazedor. Ajudou na construção de dezena das casas que formariam o núcleo da vila. Socorria com os encanamentos, auxiliava na compra de algumas marmitas em épocas de mutirão, facilitava a distribuição de gás.
Nesse começo, o José não ligava de ser chamado de Zé e foi fazendo assim um grupo representativo de amizades. Pagava dose ou outra de cachaça nos botecos, organizava as disputas na sinuca e no truco. O José começou a se fazer numa época em que palavras valiam mais que todas as outras coisas.
Virou líder da associação dos moradores da vila, não diretamente, mas indicado pelos residentes mais antigos (e, por isso, mais influentes). Fazia, por conta de sua posição, mais amigos e mais uns dinheirinhos aqui e ali, com as inscrições dos torneios de sinuca e de truco. Levava algum na distribuição do gás e sempre garantia gratificações quando fazia o socorro com os encanamentos. Enquanto todos na vila tinham cada vez menos, trabalhando cada vez mais e mais longe, o Zé se garantia sem sair do lugar. Assim, acumulava também fatores e toda a comunidade lhe devia algo. Ninguém mais conseguia chamar o Zé de Zé. E já faz bom tempo que o Zé é José e não só mais um Zé.
O José não é mais o líder da associação de moradores da Vila. As coisas são rápidas demais e ele diz não estar acostumado a depender da informática pra tomar conta de algo. Mas seu prestígio ainda faz parte do cotidiano do lugar. José virou chefe do "conselho do bem estar" e decide, juntamente com os demais conselheiros, como fazer da vila, um lugar melhor. O que fazer, onde fazer, como fazer, com quanto fazer e - mais importante - com quem fazer.
Nos dias de hoje, a vila tem a rua José, a escolinha José, o campo José de futebol de várzea e o bingo José. O filho do José é técnico do time infantil e recebe bem mais que os moradores que trabalham fora da vila. O filho do José nunca ganhou um campeonato. A filha do José é diretora e orientadora da escola da vila. Ela ganha muito bem e mora a uma quadra da escola. Nem metade das crianças da vila sabe mesmo escrever e leem com recorrente dificuldade. O José mesmo mal aparece na sede do conselho, resolvendo mil e uma coisas em prol das melhorias da vila. Mas dia desses ele apareceu por lá. Foi almoçar no bar do Alceu a convite do filho uma semana antes do namorado da sua netinha mais nova conseguir aquela vaga de auxiliar na organização dos torneios de sinuca que eu tanto queria.

Atenção: essa é uma obra de ficção. Qualquer semelhança com pessoas ou fatos reais é mera coincidência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu quero café e a volta do humor politicamente incorreto!

Resolvi voltar a escrever e quero voltar com um apelo: Eu quero café e a volta do humor politicamente incorreto!
Tenho visto muita frescura ultimamente nas Redes Sociais e até concordo que a galerinha jovem de hoje ache tudo chato e errado e que qualquer tipo de zoeira seja politicamente incorreta (eles não tiveram a TV Globinho, Chaves e as séries que passavam depois do Bom dia e Cia no SBT para educá-los), o que eu não concordo é o fato de pessoas com mais de 28 anos de idade entrarem nessa ondinha de que tudo é preconceito, ou machismo, ou bullying, ou sei lá mais o que…
Recentemente passei por isso no Facebook, onde fiz uma postagem (totalmente inocente) e fui chamado de machista… Eis os comentários: “Quer dizer que você é machista” “Não esperava isso de você” “Só o preconceito que não muda”… Além dos emoticons zangados. Eu machista? Cara, eu lavo louça em casa e cozinho.
O que é que tá acontecendo com você? Você fez tudo isso nos tempos de escola e sofreu tudo isso também e sobrevive…

Do seu ou do meu jeito? / Homem X Mulher

Ele - Eu prefiro fazer assim! Ela - Mas assim é errado... Porque você não faz desse jeito? Ele - Porque demora... Ela - Mas é o jeito certo de fazer. Ele - Você quer que eu faça? Ela - Quero!!! Ele - Então me deixa fazer do meu jeito... Além de fazer quer exigir... Ela - É... Eu sei, mas se é pra fazer errado é melhor nem fazer... Ele - Então você quer eu pare de fazer? Ela - Não, eu quero que você faça, mas que faça certo! Ele - Vou fazer do meu jeito primeiro, se não der certo eu faço do seu. Pode ser? Ela - Hum... Sei não viu... Acho que fazendo do seu jeito, que é o jeito errado, não vamos poder corrigir, já que eu tenho certeza que vai dar errado. Ele - Como você é insuportável!!! Acredite no meu jeito de fazer as coisas, por favor... Ela - Já fiz isso antes – não se lembra? – deu errado! Ele - Se ao invés de discutir, tivéssemos fazendo do meu jeito, com certeza já estaria pronto. Ela -Vai lá então. Faça do seu jeito... Ela - Até que enfim... Olha só... E... ... ... Tá certo. Vamos fazer do seu…

36 perguntas para duas pessoas estranhas se apaixonarem

Para além da química e do destino, há pesquisadores que acreditam na possibilidade de dissecarmos os sentimentos de intimidade e atração
Suponha que duas pessoas não se conheçam e elas, por algum motivo, desejem se aproximar romanticamente. 
Alguns vão dizer que a tentativa depende das estrelas, outros vão defender feromônios e há aqueles que talvez acreditem na mais pura sorte.
Em 1995, o psicólogo e pesquisadorArthur Aronconduziu um experimento para testar um método prático que induzisse duas pessoas a se sentirem íntimas. O processo foi realizado com estudantes de psicologia que, sentados em uma sala confortável, receberam três pacotes com uma série de perguntas e a instrução de que o experimento seria uma espécie de jogo agradável, cuja intenção era apenas fazer com que se aproximassem.
O Dr. Aron nos diz em seu estudo que "um padrão chave no desenvolvimento de um relacionamento de proximidade entre duas pessoas é a contínua, crescente, recíproca e íntima abertura.".
Para est…