Pular para o conteúdo principal

Zé ninguém

Como um zé se transforma em José, deixando para trás qualquer zé



O José não é só mais um zé não. O José é das antigas e, mesmo hoje, ainda está por lá. Chegou pelas bandas pouco depois da fundação da vila. Veio de longe e trouxe o aprendizado antigo de falar só quando necessário e nunca (nunca mesmo) se separar do verbo "fazer". José é e sempre foi um fazedor. Ajudou na construção de dezena das casas que formariam o núcleo da vila. Socorria com os encanamentos, auxiliava na compra de algumas marmitas em épocas de mutirão, facilitava a distribuição de gás.
Nesse começo, o José não ligava de ser chamado de Zé e foi fazendo assim um grupo representativo de amizades. Pagava dose ou outra de cachaça nos botecos, organizava as disputas na sinuca e no truco. O José começou a se fazer numa época em que palavras valiam mais que todas as outras coisas.
Virou líder da associação dos moradores da vila, não diretamente, mas indicado pelos residentes mais antigos (e, por isso, mais influentes). Fazia, por conta de sua posição, mais amigos e mais uns dinheirinhos aqui e ali, com as inscrições dos torneios de sinuca e de truco. Levava algum na distribuição do gás e sempre garantia gratificações quando fazia o socorro com os encanamentos. Enquanto todos na vila tinham cada vez menos, trabalhando cada vez mais e mais longe, o Zé se garantia sem sair do lugar. Assim, acumulava também fatores e toda a comunidade lhe devia algo. Ninguém mais conseguia chamar o Zé de Zé. E já faz bom tempo que o Zé é José e não só mais um Zé.
O José não é mais o líder da associação de moradores da Vila. As coisas são rápidas demais e ele diz não estar acostumado a depender da informática pra tomar conta de algo. Mas seu prestígio ainda faz parte do cotidiano do lugar. José virou chefe do "conselho do bem estar" e decide, juntamente com os demais conselheiros, como fazer da vila, um lugar melhor. O que fazer, onde fazer, como fazer, com quanto fazer e - mais importante - com quem fazer.
Nos dias de hoje, a vila tem a rua José, a escolinha José, o campo José de futebol de várzea e o bingo José. O filho do José é técnico do time infantil e recebe bem mais que os moradores que trabalham fora da vila. O filho do José nunca ganhou um campeonato. A filha do José é diretora e orientadora da escola da vila. Ela ganha muito bem e mora a uma quadra da escola. Nem metade das crianças da vila sabe mesmo escrever e leem com recorrente dificuldade. O José mesmo mal aparece na sede do conselho, resolvendo mil e uma coisas em prol das melhorias da vila. Mas dia desses ele apareceu por lá. Foi almoçar no bar do Alceu a convite do filho uma semana antes do namorado da sua netinha mais nova conseguir aquela vaga de auxiliar na organização dos torneios de sinuca que eu tanto queria.

Atenção: essa é uma obra de ficção. Qualquer semelhança com pessoas ou fatos reais é mera coincidência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu quero café e a volta do humor politicamente incorreto!

Resolvi voltar a escrever e quero voltar com um apelo: Eu quero café e a volta do humor politicamente incorreto!
Tenho visto muita frescura ultimamente nas Redes Sociais e até concordo que a galerinha jovem de hoje ache tudo chato e errado e que qualquer tipo de zoeira seja politicamente incorreta (eles não tiveram a TV Globinho, Chaves e as séries que passavam depois do Bom dia e Cia no SBT para educá-los), o que eu não concordo é o fato de pessoas com mais de 28 anos de idade entrarem nessa ondinha de que tudo é preconceito, ou machismo, ou bullying, ou sei lá mais o que…
Recentemente passei por isso no Facebook, onde fiz uma postagem (totalmente inocente) e fui chamado de machista… Eis os comentários: “Quer dizer que você é machista” “Não esperava isso de você” “Só o preconceito que não muda”… Além dos emoticons zangados. Eu machista? Cara, eu lavo louça em casa e cozinho.
O que é que tá acontecendo com você? Você fez tudo isso nos tempos de escola e sofreu tudo isso também e sobrevive…

20 desculpas para faltar ou chegar atrasado ao trabalho

Pense assim: É segunda-feira pós-feriadão prolongado. Você passou a sexta-feira santa com muito bacalhou. Sábado de aleluia: Aleluia! Muita birita... Domingo de páscoa: Além daquele rango comeu muito, mas muito chocolate... Cara, ir pro trampo na segundona é osso! Então temos aqui 20 desculpinhas para você ficar em casa no dia da preguiça.
1-Matar parentes (para faltar): É a mais clássica de todas. Só tome cuidado para não matar a sua avó três vezes no mesmo emprego.
2-Furou o pneu (para se atrasar): Tenha o cuidado de sujar as mãos pelo menos um pouco... Se não, diga que o socorro demorou chegar. Só pega mal se você for homem, afinal, que tipo de homem é você que não consegue nem trocar um pneu sozinho?
3-Sua namorada te trocou por outra mulher (para faltar): E você está com depressão. Mas tome cuidado para não ser flagrado feliz da vida com uma loira ou uma morena no fim de semana seguinte.
4-Ficou preso no elevador (para se atrasar): E você pode dizer que não avisou porque o celular nã…

Eu quero café com justiça e respeito!

Bruno está em liberdade e trabalhando... Que legal... Legal nada!
Todo mundo merece uma segunda chance na vida? Pode ser… Mas e o cara que planejou, orquestrou, matou e esquartejou outro ser humano merece uma segunda chance?
Essa é a minha opinião: Não, absolutamente é CLARO que NÃO!!! Nem o Bruno, nem a Suzane Von Richthofen, nem o casal Nardoni e nem qualquer outro que tenha cometido crimes hediondos como eles NÃO MERECEM UMA SEGUNDA CHANCE.
Até acho bacana essa ideia de ressocializar, é legal as empresas realizando projetos sociais para ex-detentos, mas não é o caso do goleiro Bruno dos caras que citei antes. O caso Bruno, pra mim além de ser uma falta de respeito com pessoas iguais a mim e a você (que damos um duro danado, acordamos cedo todos os dias para termos o nosso sustento), isso é um golpe de marketing, é querer se aparecer… Não é projeto social coisa nenhuma.
Projeto social para pessoas iguais a ele seria quebrar pedras na cadeia!!!
Ele deve na verdade voltar pra cadeia e cumprir…