Pular para o conteúdo principal

Coisas de homem, parte 1

Homem que é homem faz coisas de homem. Frequenta estabelecimentos de homem. Vê filmes de homem. Bebe bebidas de homem. Come comida de homem. Cospe, arrota, flatula. E depois vai ao cabeleireiro.

Nem todas as coisas são coisas de homem. E, sobretudo, nem todas as coisas têm o direito de se chamar coisas de homem. É que uma coisa de homem não é uma coisa qualquer. Para ser de homem, todos os componentes individuais que em conjunto constituem essa coisa têm de ser de homem. E basta que um desses componentes não seja de homem para que essa coisa deixe de ser uma coisa de homem. Como uma feijoada de soja.

Quando um homem vai ao cinema, há regras para garantir que vai ver um filme de homem. Regras que variam consoante ele for ao cinema com os amigos ou com uma amiga. Se vai com uma amiga, todos os filmes são filmes de homem desde que sirvam para aumentar as chances de forrobodó no final. Incluindo quaisquer golpes baixos, como deitar umas gotas de soro fisiológico nos olhos no fim do filme para mostrar o seu lado sensível. Mesmo que tenham ido ver uma comédia.

Se vai ao cinema com os amigos, a história é outra. Para ser um filme de homem, o personagem principal deve estar a salvar aldeias de
pessoas simples que têm apenas enxadas e arados para se defender contra as metralhadoras dos vilões, ou a lutar contra o crime sem seguir as regras, ou ter superpoderes para combater o mal, ou estar a defender o seu país de uma invasão de alienígenas, ou estar a fazer justiça pelas próprias mãos, ou ter uma profissão que automaticamente lhe dá o direito de possuir todas as mulheres do filme. E é
expressamente proibido comprar pipocas. A não ser que seja para as atirar contra alguém.

Já um estabelecimento que exiba posters de miúdas giras, como as oficinas de automóveis, é de homem. Se o dito estabelecimento até tem mulheres de carne e osso que nos atendem e tratam de nós, também é de homem. Se o propósito desse estabelecimento é tornar um homem mais atraente para as mulheres, é evidente que é de homem. Mas chamar-lhe cabeleireiro é que não. Um Cabeleireiro de Homem não existe. Ou bem que é um cabeleireiro, ou bem que é de homem. Barbeiro é que é de homem. Barba e cabelo, se faz favor. Ou só barba, no meu caso.

E cuidado com os que se dizem cabeleireiros unissexo. Podem tentar convencê-lo do contrário mas, se é unissexo, é só para um sexo. Deixe as interpretações para as mulheres. E normalmente tende para ser do feminino. Por isso, se quando se senta para cortar o cabelo, mete a mão às revistas e lhe calha a Nova Gente ou a Caras, claramente entrou no estabelecimento errado. Resta-lhe sair a correr e procurar o bar mais próximo para recuperar um pouco da sua masculinidade de volta. Mas atenção, nem todas as bebidas são próprias para o consumo masculino.

Bebidas de homem não têm fruta. Não têm chapeuzinhos. Nem podem exibir uma palete de cores que inclua grená, violeta ou fúcsia. Um
cocktail, não sei o que é, mas não é de homem. Sex-on-the-beach é bom quando é realmente sexo na praia. Um Appletini é um Martini depois da operação de mudança de sexo. Lembre-se que a primeira pessoa que pede uma bebida estabelece o tom para o resto da rodada do grupo. Se o primeiro homem pedir uma água, o segundo pode pedir o que quiser que é de homem. Agora, se o primeiro pedido for uma cerveja, se o segundo não igualar ou subir a parada, é um grandessíssimo Appletini. A não ser que o primeiro tenha pedido uma cerveja sem álcool. E nesse caso, já toda a gente sabe quem é que é o Appletini do grupo.

Já a comida de homem tem de ocupar pelo menos noventa e cinco por cento do prato, ou da travessa, em que é servida. E o molho deve estar em cima da comida, não a decorar as bordas do prato. É igualmente importante saber distinguir entre o que é um prato principal e o que é um acompanhamento. Uma salada não é uma refeição. Uma sopa é o princípio da refeição. Ficam a faltar o meio e o fim. Uma refeição, para ser de homem, tem de ter entrada, prato principal, sobremesa e arrependimento. Cada refeição que não termine com uma jura solene de que nunca mais irá comer tanto na vida, não é de homem. Nos restaurantes gourmet a quantidade de 0comida que servem em cada prato é inversamente proporcional ao preço do prato. Quanto mais caro for, menos comida traz. É uma mania dos franceses que, como todos sabemos, é um povo cuja alimentação é feita à base de baguetes. Por causa disso, tenho a sincera impressão de que nos restaurantes finos só há meias doses. E são sempre mal servidas. 

É que quando um homem quer comida fina, manda cortar o presunto mais fininho...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu quero café e a volta do humor politicamente incorreto!

Resolvi voltar a escrever e quero voltar com um apelo: Eu quero café e a volta do humor politicamente incorreto!
Tenho visto muita frescura ultimamente nas Redes Sociais e até concordo que a galerinha jovem de hoje ache tudo chato e errado e que qualquer tipo de zoeira seja politicamente incorreta (eles não tiveram a TV Globinho, Chaves e as séries que passavam depois do Bom dia e Cia no SBT para educá-los), o que eu não concordo é o fato de pessoas com mais de 28 anos de idade entrarem nessa ondinha de que tudo é preconceito, ou machismo, ou bullying, ou sei lá mais o que…
Recentemente passei por isso no Facebook, onde fiz uma postagem (totalmente inocente) e fui chamado de machista… Eis os comentários: “Quer dizer que você é machista” “Não esperava isso de você” “Só o preconceito que não muda”… Além dos emoticons zangados. Eu machista? Cara, eu lavo louça em casa e cozinho.
O que é que tá acontecendo com você? Você fez tudo isso nos tempos de escola e sofreu tudo isso também e sobrevive…

Do seu ou do meu jeito? / Homem X Mulher

Ele - Eu prefiro fazer assim! Ela - Mas assim é errado... Porque você não faz desse jeito? Ele - Porque demora... Ela - Mas é o jeito certo de fazer. Ele - Você quer que eu faça? Ela - Quero!!! Ele - Então me deixa fazer do meu jeito... Além de fazer quer exigir... Ela - É... Eu sei, mas se é pra fazer errado é melhor nem fazer... Ele - Então você quer eu pare de fazer? Ela - Não, eu quero que você faça, mas que faça certo! Ele - Vou fazer do meu jeito primeiro, se não der certo eu faço do seu. Pode ser? Ela - Hum... Sei não viu... Acho que fazendo do seu jeito, que é o jeito errado, não vamos poder corrigir, já que eu tenho certeza que vai dar errado. Ele - Como você é insuportável!!! Acredite no meu jeito de fazer as coisas, por favor... Ela - Já fiz isso antes – não se lembra? – deu errado! Ele - Se ao invés de discutir, tivéssemos fazendo do meu jeito, com certeza já estaria pronto. Ela -Vai lá então. Faça do seu jeito... Ela - Até que enfim... Olha só... E... ... ... Tá certo. Vamos fazer do seu…

36 perguntas para duas pessoas estranhas se apaixonarem

Para além da química e do destino, há pesquisadores que acreditam na possibilidade de dissecarmos os sentimentos de intimidade e atração
Suponha que duas pessoas não se conheçam e elas, por algum motivo, desejem se aproximar romanticamente. 
Alguns vão dizer que a tentativa depende das estrelas, outros vão defender feromônios e há aqueles que talvez acreditem na mais pura sorte.
Em 1995, o psicólogo e pesquisadorArthur Aronconduziu um experimento para testar um método prático que induzisse duas pessoas a se sentirem íntimas. O processo foi realizado com estudantes de psicologia que, sentados em uma sala confortável, receberam três pacotes com uma série de perguntas e a instrução de que o experimento seria uma espécie de jogo agradável, cuja intenção era apenas fazer com que se aproximassem.
O Dr. Aron nos diz em seu estudo que "um padrão chave no desenvolvimento de um relacionamento de proximidade entre duas pessoas é a contínua, crescente, recíproca e íntima abertura.".
Para est…