Pular para o conteúdo principal

36 perguntas para duas pessoas estranhas se apaixonarem

Para além da química e do destino, há pesquisadores que acreditam na possibilidade de dissecarmos os sentimentos de intimidade e atração

Suponha que duas pessoas não se conheçam e elas, por algum motivo, desejem se aproximar romanticamente. 

Alguns vão dizer que a tentativa depende das estrelas, outros vão defender feromônios e há aqueles que talvez acreditem na mais pura sorte.

Em 1995, o psicólogo e pesquisador Arthur Aron conduziu um experimento para testar um método prático que induzisse duas pessoas a se sentirem íntimas. O processo foi realizado com estudantes de psicologia que, sentados em uma sala confortável, receberam três pacotes com uma série de perguntas e a instrução de que o experimento seria uma espécie de jogo agradável, cuja intenção era apenas fazer com que se aproximassem.

O Dr. Aron nos diz em seu estudo que "um padrão chave no desenvolvimento de um relacionamento de proximidade entre duas pessoas é a contínua, crescente, recíproca e íntima abertura.".

Para estimular tal processo, ele deu a cada dupla de estudantes, de sexos diferentes, uma série com 36 perguntas para serem respondidas na exata ordem proposta. Ao fim das perguntas, os dois participantes deveriam se olhar nos olhos silenciosamente durante quatro minutos.

Após o estudo, conduziu checagens para entender melhor a repercussão do processo, ficando surpreso com os resultados. O método era mesmo eficaz ao acelerar a aproximação, ainda que não significasse garantia de que algo fosse ocorrer em seguida. Ainda assim, seis meses depois duas pessoas que participaram estavam casadas.

Em janeiro desse ano, a repórter Mandy Le Catron, do New York Times, publicou um tocante relato após fazer a maratona de perguntas do Dr. Aron com um conhecido se apaixonaram. O artigo se espalhou como fogo em palha (as perguntas saíram também no Update or Die e no Treta).

Abaixo seguem as 36 perguntas:

Pacote I
1. Podendo escolher entre qualquer pessoa no mundo, com quem você gostaria de jantar?
2. Você gostaria de ser famoso? De que modo?
3. Antes de fazer uma ligação telefônica, você ensaia o que vai dizer? Por quê?
4. O que seria um dia perfeito para você?
5. Qual a última vez em que cantou para si mesmo? E para outra pessoa?
6. Se você pudesse viver até os 90 anos e manter a mente ou o corpo de uma pessoa com 30 anos para os 60 anos seguintes – até completar 90 – qual iria escolher?
7. Você tem um palpite secreto sobre como vai morrer?
8. Diga três coisas que você e a pessoa com quem está conversando parecem ter em comum.
9. Pelo que em sua vida você se sente mais grato?
10. Se pudesse mudar qualquer coisa no modo como foi criado, o que seria?
11. Gaste quatro minutos para contar ao seu parceiro sua história de vida, com a maior quantidade de detalhes possível.
12. Se pudesse acordar amanhã tendo ganho qualquer qualidade ou habilidade, qual seria?

Conjunto II
13. Se uma bola de cristal pudesse te contar a verdade sobre si mesmo, sua vida, seu futuro ou qualquer outro coisa, o que escolheria saber?
14. Tem algo que você sonha em fazer há muito tempo? Por que ainda não fez? 
15. Qual a maior realização de sua vida?
16. O que você mais valoriza em uma amizade?
17. Qual sua lembrança do passado mais querida?
18. Qual sua memória mais terrível?
19. Se você soubesse que em um ano iria morrer subitamente, você mudaria algo no modo em como está vivendo agora? Por quê?
20. O que amizade significa para você?
21. Qual papel amor e afeto têm em sua vida?
22. Se revezem ao compartilhar uma característica que considera positiva na pessoa com quem está conversando. Compartilhem cinco coisas.
23. O quão próxima e unida é sua família? Você sente que sua infância foi mais feliz do que a da maioria das pessoas?
24. Como você se sente sobre o seu relacionamento com sua mãe?

Conjunto III
25. Diga três frases começando com "nós". Por exemplo, "nós dois estamos sentindo agora que..."
26. Complete essa frase: "Eu gostaria de ter alguém com quem pudesse compartilhar..."
27. Se você fosse se tornar um amigo próximo da pessoa com quem está conversando, por favor, compartilhe algo que seja importante que ele (ou ela) saiba.
28. Diga à pessoa com quem está conversando o que você gosta sobre ela; seja bastante honesto dessa vez, dizendo coisas que talvez não falasse com alguém que acabou de conhecer.
29. Compartilhe com seu parceiro um momento embaraçoso de sua vida.
30. Qual a última vez em que chorou na frente de outra pessoa? E sozinho?
31. Diga à pessoa com quem está conversando algo que você já gosta nela.
32. O que, se há algo, seria sério demais para se brincar?
33. Se você fosse morrer essa noite, sem a chance de se comunicar com ninguém, o que mais se arrependeria de não ter dito a alguém? Por que não falou isso a essa pessoa ainda?
34. Sua casa, com tudo que você possui, pega fogo. Depois de salvar as pessoas que ama e seus animais de estimação (se tiver algum), você consegue entrar na casa para buscar uma única coisa. O que seria? Por quê?
35. De todas as pessoas em sua família, a morte de qual delas mais te perturbaria? Por quê?
36. Compartilhe um problema pessoal e peça um conselho à pessoa com quem está conversando, sobre como ela lidaria com a situação. Peça também para lhe dizer como ela interpreta que você está se sentindo em relação a esse problema.
É claro que relacionamentos autênticos e saudáveis não surgem de métodos e roteiros. O próprio estudo do Dr. Aron levanta uma série de ressalvas e limitações em relação ao estudo feito, cujo propósito está ligado ao desenvolvimento de intimidade – e não necessariamente se apaixonar. 
Porém, tendo isso em mente, podemos brincar com essa ideia de modo despretensioso.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu quero café e a volta do humor politicamente incorreto!

Resolvi voltar a escrever e quero voltar com um apelo: Eu quero café e a volta do humor politicamente incorreto!
Tenho visto muita frescura ultimamente nas Redes Sociais e até concordo que a galerinha jovem de hoje ache tudo chato e errado e que qualquer tipo de zoeira seja politicamente incorreta (eles não tiveram a TV Globinho, Chaves e as séries que passavam depois do Bom dia e Cia no SBT para educá-los), o que eu não concordo é o fato de pessoas com mais de 28 anos de idade entrarem nessa ondinha de que tudo é preconceito, ou machismo, ou bullying, ou sei lá mais o que…
Recentemente passei por isso no Facebook, onde fiz uma postagem (totalmente inocente) e fui chamado de machista… Eis os comentários: “Quer dizer que você é machista” “Não esperava isso de você” “Só o preconceito que não muda”… Além dos emoticons zangados. Eu machista? Cara, eu lavo louça em casa e cozinho.
O que é que tá acontecendo com você? Você fez tudo isso nos tempos de escola e sofreu tudo isso também e sobrevive…

20 desculpas para faltar ou chegar atrasado ao trabalho

Pense assim: É segunda-feira pós-feriadão prolongado. Você passou a sexta-feira santa com muito bacalhou. Sábado de aleluia: Aleluia! Muita birita... Domingo de páscoa: Além daquele rango comeu muito, mas muito chocolate... Cara, ir pro trampo na segundona é osso! Então temos aqui 20 desculpinhas para você ficar em casa no dia da preguiça.
1-Matar parentes (para faltar): É a mais clássica de todas. Só tome cuidado para não matar a sua avó três vezes no mesmo emprego.
2-Furou o pneu (para se atrasar): Tenha o cuidado de sujar as mãos pelo menos um pouco... Se não, diga que o socorro demorou chegar. Só pega mal se você for homem, afinal, que tipo de homem é você que não consegue nem trocar um pneu sozinho?
3-Sua namorada te trocou por outra mulher (para faltar): E você está com depressão. Mas tome cuidado para não ser flagrado feliz da vida com uma loira ou uma morena no fim de semana seguinte.
4-Ficou preso no elevador (para se atrasar): E você pode dizer que não avisou porque o celular nã…

Eu quero café com justiça e respeito!

Bruno está em liberdade e trabalhando... Que legal... Legal nada!
Todo mundo merece uma segunda chance na vida? Pode ser… Mas e o cara que planejou, orquestrou, matou e esquartejou outro ser humano merece uma segunda chance?
Essa é a minha opinião: Não, absolutamente é CLARO que NÃO!!! Nem o Bruno, nem a Suzane Von Richthofen, nem o casal Nardoni e nem qualquer outro que tenha cometido crimes hediondos como eles NÃO MERECEM UMA SEGUNDA CHANCE.
Até acho bacana essa ideia de ressocializar, é legal as empresas realizando projetos sociais para ex-detentos, mas não é o caso do goleiro Bruno dos caras que citei antes. O caso Bruno, pra mim além de ser uma falta de respeito com pessoas iguais a mim e a você (que damos um duro danado, acordamos cedo todos os dias para termos o nosso sustento), isso é um golpe de marketing, é querer se aparecer… Não é projeto social coisa nenhuma.
Projeto social para pessoas iguais a ele seria quebrar pedras na cadeia!!!
Ele deve na verdade voltar pra cadeia e cumprir…